Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.

(Atos 20:35)

Não adianta a luta diária para educar os nossos filhos se eles assistirem ao Felipe Neto
Fonte: IEMIF - 05/11/2018 - 13h35min
Não adianta a luta diária para educar os nossos filhos se eles assistirem ao Felipe Neto

 

Basta assistir a dois ou três minutos de qualquer vídeo desse youtuber, tão querido pelas crianças, para perceber que deixar seu filho na “companhia” dele é um desserviço para à educação que nós, pais, nos esforçamos a dar a eles todos os dias. Você explica que falar palavrão não é legal, que não podemos tratar os outros com diferença, que bullying é errado, mas Felipe Neto está lá, tentando dizer aos nossos filhos que quem grita, humilha e zomba de tudo e de todos é que é descolado.

Eu já conhecia a figura porque há alguns anos ele me atacou, de forma grosseira, por causa de um texto aqui do blog onde eu dizia que as músicas da Anitta não são indicadas para criança. Mas Felipe Neto voltou à minha mente (e às manchetes) semana passada, quando alguns veículos divulgaram que ele participou de um painel sobre publicidade infantil para os pequenos chamado “Lugar de criança é no supermercado”.  Depois li um post de uma amiga, a jornalista Mariana Kotscho, que contava que havia “dado um basta em casa”, proibindo os três filhos de assistir aos vídeos dele. Ela contava ainda que tinha se arrependido de ter achado que aquilo era “coisa de criança”.

“É danoso! O vídeo ‘o que eu comprei na Disney com 18 mil reais’ é para vomitar. É tudo ruim, valores distorcidos. E sem graça. E ainda tira o sarro do rapaz gordo o tempo todo. Ensinando bullying e preconceito. E cheio de palavrão. Enfim, radicalizei. Vai contra tudo o que prego na educação dos meus filhos. Pais e mães, reflitam! E muita atenção ao que permitimos aos nossos pequenos. São crianças, com caráter em formação. Nada de entregá-los de bandeja aos youtubers, pelo bem do desenvolvimento deles. E pelo bem do futuro da nossa sociedade. Se o seu filho ou filha assiste, assista com ele e veja que de inofensivo não tem nada!”

Fiz parte exercício proposto, (mas sem meu filho), e tomei nota. E o que vi é de chorar.

Felipe Neto grita. O tempo todo. Se não gosta de algo editado ou proposto pelo produtor do seu canal, berra e vira os olhinhos. Como não consegue debater com quem o critica, como no caso da publicidade infantil, berra ainda mais alto e faz caretas. Seu argumento é o grito, a cara de desprezo ou de nojo: às vezes usa os três expedientes para tentar convencer a audiência que está certo e que quem o critica é um completo idiota – ou burro, ou inútil, ou retardado. O que nos leva ao item abaixo.

Ele xinga: ‘retardado’, ‘burro’, ‘inútil’, ‘idiota’ foram adjetivos recorrentes nos três vídeos que eu assisti.  Lembra que você sempre ressalta com o seu filho que o diálogo e a escuta são importantes para resolver as questões do dia a dia? Felipe Neto não reconhece nenhum desses instrumentos. Também acha que “gordo” ou “macumbeiro” são xingamentos, ressaltando subliminarmente, claro, que quem está acima do peso ou é praticante de umbanda ou candomblé não merece respeito. A gente fala de respeito com as crianças sempre, né? Então.

Ele tenta vender produtos o tempo todo – A cada cinco minutos, Felipe Neto anuncia alguma coisa àqueles que o assistem. O livro dele é oferecido várias vezes durante seus vídeos que tem, em média, de dez a vinte minutos. Se não é o livro, são ingressos para seu show que, pelo entendi, roda o Brasil, ou seja, seu filho está sendo exposto à publicidade infantil, que é proibida a crianças menores de 12 anos pela Constituição, Código de Defesa do Consumidor, Estatuto da Criança e do Adolescente e por uma resolução do Conanda, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Felipe argumenta, primeiro, que seus telespectadores têm mais de 13 anos e que sempre diz a eles para que peçam aos pais que comprem os produtos. Torturar os fatos até que eles pareçam favoráveis é especialidade dele. (Gregório Duvivier fez um programa ótimo sobre publicidade infantil, citando Felipe Neto. Está imperdível. )

Ele fala palavrões – O vocabulário é chulo e há palavrões aos borbotões. Em uma das publicações ele garante que mudou, não faz mais piadas com minorias. Em vez de aplaudir, lembro de um cartaz que viralizou nas redes sociais, tempos atrás, mostrando os pais de um garoto recém-formado que diziam que, ao conseguir o diploma, o guri não tinha feito “nada mais que a obrigação”. É isso, Felipe Neto. Aproveito para lembrar que racismo é crime. Homofobia ainda não é (!), mas chegaremos lá.

Quando Felipe Neto deixa de berrar e tenta soltar algumas frases em sua defesa, diz que não cabe ao entretenimento, mas sim aos pais, a tarefa de “educar” os filhos. Inclusive ele disse isso no tal vídeo em que me ofendeu. Poxa vida, nisso concordamos. E é exatamente o que eu e muitas mães estamos fazendo quando decidimos não deixar que você entre mais em nossas casas. Aliás, por aqui, você nunca foi bem-vindo.  

POR RITA LISAUSKAS

 
Ouça o Áudio dessa Matéria
Download
Compartilhar
Comentários
Onde Estamos:

» Av. Automóvel Clube, 17.528
Santa Cruz da Serra - Duque de Caxias - RJ

» Rua 12 n° 3  Atrás do D.P.O,  Nova Campinas, Duque de Caxias

» Rua Ubirajára n° 21, Vila Maria Helena, Duque de Caxias

» Av. Moacyr Padilha 1117, Jardim Primavera, Duque de Caxias

» Rua Raul Travassos da Rosa antiga rua 03 (Antigo Material de Construção Pernambuco) Nº 636 Jardim Primavera - Duque de Caxias - Filadélfia Jardim Primavera 2

» Regional Centro-Oeste
Rua Dr. Laureano-Qd 17-Lt 09
Vila Mauá - Goiânia -GO | Tel: (62) 3639-7480

Contato:
(021)*3658-4454
(021)*3653-4920
© 2011 Ministério Internacional Filadélfia - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por InovaSite