Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos.

(Gálatas 6:9)

Entidades pressionam governo de SP por informações sobre a seca
Fonte: IEMIF - 20/10/2014 - hmin
Entidades pressionam governo de SP por informações sobre a seca

 São Paulo – Entidades pressionam o governo do estado de São Paulo pela crise da água. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) encaminhou uma carta para o governador, Geraldo Alckmin (PSDB), indicando situações de falta de água na capital paulista e na grande São Paulo. A Rede Nossa São Paulo lançou uma petição por mais transparência nas medidas do governo para solucionar a escassez. A reportagem sobre o tema foi ao ar na edição de ontem (1) do Seu Jornal, daTVT.

 
O Idec realizou a campanha Tô sem Água, lançada há dois meses, para registrar situações em que a população sofre com a escassez. Foram registrados 599 relatos de falta de água na região metropolitana de São Paulo. Desse total, 82% afirmaram sofrer com a falta do recurso durante a noite. Além disso, 73% indicam interrupção do fornecimento ao menos uma vez por dia.
 
Claudia Almeida, advogada do Idec, pontua que a entidade tem dialogado com o governo e com a Sabesp e encaminhou os números coletados. No entanto, Claudia alega que os órgãos públicos negam que há falta de água. "Eles dizem que são casos pontuais, que são números insignificantes", diz. Para a advogada, está faltando a Sabesp se informar.
 
A Rede Nossa São Paulo, formada por mais de 700 entidades da sociedade civil organizada, reivindica transparência nas medidas tomadas pelo governo. O principal problema apontado é o desperdício da empresa no sistema de distribuição, em que 25% da água tratada se perde. Fernando Beltrame, integrante da Rede, indica que a entidade está procurando quais ações podem reduzir essa perda.
 
"São as ações emergenciais, porque hoje em São Paulo a gente passa por uma crise bem séria", diz. Beltrame critica as medidas paliativas do governo de São Paulo, como o gasto de R$ 80 milhões para capacitação do volume morto, que está operando com 10,8% da sua capacidade. Além disso, considera insuficiente o investimento de R$ 7 milhões com bombeamento de nitrato de prata nas nuvens para estimular a chuva.
 
"Para a gente retomar o ciclo de chuvas em São Paulo, a gente precisa entender melhor como trabalhar o uso de ocupação de cerrado e da Amazônia,  então reduzir o desmatamento", considera. O reflorestamento com mata nativa nas regiões dos reservatórios é indicado como um ação economicamente viável e capaz de auxiliar a reposição da água nos mananciais.
 
O estado de São Paulo vive a pior crise de escassez de água da história. O Sistema Cantareira, que abastece 9,5 milhões de habitantes da região metropolitana de São Paulo, opera com 11,4% da capacidade. Essa situação passou a comprometer outros sistemas, como é o caso do Alto Tiete, responsável pelo fornecimento de água para 4 milhões de pessoas das regiões metropolitanas de São Paulo e do Alto Tietê. As reservas hídricas estão com apenas 20,7% da capacidade.
 
Assista a reportagem completa realizada pela TVT:
 

 

Assista o Vídeo
Compartilhar
Comentários
Onde Estamos:

» Av. Automóvel Clube, 17.528
Santa Cruz da Serra - Duque de Caxias - RJ

» Rua 12 n° 3  Atrás do D.P.O,  Nova Campinas, Duque de Caxias

» Rua Ubirajára n° 21, Vila Maria Helena, Duque de Caxias

» Av. Moacyr Padilha 1117, Jardim Primavera, Duque de Caxias

» Rua Leibritz antiga 27 n° 479 (CURVA DO S), Jardim Primavera, Duque de Caxias

» Regional Centro-Oeste
Rua Dr. Laureano-Qd 17-Lt 09
Vila Mauá - Goiânia -GO | Tel: (62) 3639-7480

Contato:
(021)*3658-4454
(021)*3653-4920
© 2011 Ministério Internacional Filadélfia - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por InovaSite